sábado, 10 de dezembro de 2011

Uma mini garotinha e uma super mãe

É minha gente, ser mãe realmente é descobrir o amor acima de qualquer outra coisa existente nesse mundo. É esquecer o limite entre você e este serzinho que saiu de dentro de você.
Pra mim ainda é uma loucura pensar nisso, que dentro da gente é possível gerar uma vida. A natureza é muito sábia e preciosa e deu a nós mulheres o amor maior da vida: parir uma segunda parte de nós.

Parir uma extensão nossa, uma continuação, parir uma vida, acho tudo isso muito doido. E parir de verdade ainda, sentir o bebê nascendo, vivenciar cada contração sem anestesia, sentido cada centímetro do seu corpo se abrindo para a saída de seu bebê, sentindo o encaixe para a passagem mais apertada, sentir a cabecinha saindo e ainda colocar a mão no cabelinho daquele bebê que ainda nem chegou ao mundo... ai meu coração, é maravilhoso!!! Só de lembrar desse momento tão especial me emociono. Lembro tão bem do meu medo de encostar a mão na cabecinha da Olivia quando ela estava nascendo... a Dra. Andrea dizendo: faz carinho nela, coloca a mão na cabecinha, sente o cabelinho... Penso que as mulheres que se privam desse momento tão especial não sabem o quanto isso é importante para elas, para o bebê e para todo o processo...

Quando olho pra Olivia vejo eu mesma. Olivia é minha sombra, como diz Laura Gutman. Essa autora sensacional já me ajudou muito, mas no meu pós parto foi meio punk ler algumas coisas... Toda mulher deve ler Laura Gutman e todo homem tamém. Edgar pirou quando leu o capítulo dedicado aos pais no livro "A Maternidade e o Encontro com a própria Sombra".  Realmente existem muitas coisas além da linha do horizonte. E essas muitas coisas estão ali para serem vistas, quando somos capazes de ver  e de compreender o motivo delas.

O fato de eu amamentar muito a Olivia faz com que ela se funda ainda mais em mim.
Ver ela crescendo até hoje com meu leite, porque a alimentação fora do peito ainda é um petisco diante do quanto ela mama. Por ela mamar muito bem ainda faz com que a mãe fabrique sempre muito leite, e cá estamos nós duas não conseguindo ficar muito tempo longe uma da outra.

No aniversário de casamento de 5 anos agora meu e do Edgar saímos pela primeira vez sozinhos.  Deixamos Olivia com a babá e tiramos a noite para um jantar e uma baladinha e a noite foi maravilhosa! Jantamos no mesmo lugar de todos os outros anos, no Terraço Itália. Eu fiquei muito feliz, com borboletas na barriga...rs Depois fomos em uma baladinha rock no centro da cidade e dançamos na pistinha, coisa que há muito tempo não fazíamos, tomamos drinks, conversamos muito, beijamos muito tb e foi ótimo!
Essa noite foi o tempo recorde que eu já fiquei longe da Olivia: foram 7 horas. Tempo suficiente para meus seios quase explodirem de tanto leite. Quando chegamos em casa lá estava Olivia acordada nos esperando e um tanto nervosa... Por ela dormir boa parte da noite com a gente, sentiu muito a nossa falta quando acordou no meio da noite. Agora estamos retomando o soninho aos poucos para o berço novamente...

Quando vou trabalhar sempre tiro meu leite e ela toma na colher ou no copinho.  Ela nunca gostou de mamadeira. Compramos várias e ela não se adaptou a nenhuma.
A Olivia me tem presente mesmo quando estou longe, mas ás vezes bate uma saudadinha tão grande que esses dias cheguei em casa com a blusa inteira molhada de leite. Foi em uma tarde de trabalho que bateu uma saudades enorme dela e ainda peguei muito trânsito na hora de ir embora...

Olivia já está quase ficando em pé sozinha. Fica por alguns segundos, mas logo se segura de novo.
Começou a dar seus primeiro passos com a nossa ajuda e também sai andando sozinha com um andador - daqueles que serve só de apoio e o bebê vai empurrando. Esse andador a pediatra falou que não faz mal nenhum, muito pelo contrário, é bem legal, porque o bebê tem que apoiar os pés e modular os passos.

Tiramos a poltrona de amamentação do quarto no nono mês da Oli, porque com oito meses o quarto já tinha virado um espaço para brincadeiras com E.V.A no chão. Aquela bebê que só ficava sentadinha brincando com seus bichinhos ao redor começou a se arrastar, a engatinhar e agora quer saber de espaço para poder explorar. Amo ver essa evolução! Só acho é que toda essa fase deveria demorar mais tempo. O primeiro ano deveria ser pelo menos 2 anos, pra gente poder curtir mais cada momento. É muito rápido mesmo!

A Olivia agora adora ficar em pé no cadeirão de alimentação. É a sua última arte. Ela consegue se virar dentro do cadeirão e se levantar sozinha.

Ela começou a provar frutinhas no sexto mês, mas nada de querer comer, nem sabia mastigar. Com 7 meses começou a mastigar frutinhas e com 8 meses entramos com alguns legumes. Com 9 meses agora acrescentamos cereais na papinha e também colocamos carne para dar sabor na hora de cozinhar e no final tiramos a carne e fica somente o caldo dela.

Eu e minhas amigas que também são mães estamos no mesmo ritmo com a alimentação de nossos bebês. Basicamente tudo que uma faz a outra também faz e assim vamos nos ajudando, dando dicas uma pra outra e nos organizando. Os nossos pediatras também ajudam, mas seguimos bastante nossa intuição e vamos de acordo com o ritmo dos nossos bebês.

Comecei também a colocar aveia na frutinha da Olivia e ela adorou. E por falar em aveia.... depois de mais uma crise alérgica no pescoço e embaixo umbigo, e depois de muitos banhos com aveia, maizena, pomadas e etc....finalmente acertamos o tratamento e há 1 mês a Olivia não tem mais alergia!

Fomos em um alergista muito mala, odiei, e fomos em um dermato especialista em dermatite atópica que nos disse que a alergia dela não é nada de tão sério e não é atópica.
No final, estamos seguindo um tratamento que eu pesquisei na internet, através de dicas de mães com bebês alégicos e está dando super certo. Não é um tratamento barato, são cremes importados da marca francesa Mustela, mas vale muito a pena.

Deixamos de lado tudo que estávamos fazendo antes, as tentativa caseiras, o cortizona, toda aquela insegurança, o medo de ter que ir pro hospital de novo... nos tornamos pais mais seguros e seguindo um caminho bem mais tranquilo.

Na minha alimentação continuo comendo de tudo normalmente e na alimentação dela tirei apenas a banana, beterrada e espinafre. Foi meio que por intuição. Resolvi tirar primeiro a banana, porque me lembrei da primeira crise alérgica que ela teve, por ter sido logo depois de comer sua primeira banana... coincidência ou não, vamos manter dessa forma, porque o time que está ganhando não se mexe.

Na última crise alérgica Olivia ficou quase uma semana só no peito. Fizemos tudo do começo pra acompanhar passo a passo e tentar descobrir a causa. Tínhamos receio da obrigação ou não dela ter que comer ou provar as frutinhas ou legumes se tornar um estresse emocional e isso ajudar no processo alérgico...

A Olivia é muito esperta, pensa muito bem quando quer alguma coisa. Ela raciocina tudo e é muito detalhista. Gosta de coisas pequenas, brinquedos simples, e é daquelas que pega um pedacinho quase invisível de lã no chão ou de alguma outra coisa e fica um tempão olhando, analisando... ai, uma fofura!!

É uma bebê extremamente carinhosa, amorosa, sorridente, simpática...nunca vi igual! É um docinho e quando ama alguém, em poucos minutos já quer beijar, colocar a cabecinha junto, fazer carinho... Ela é uma bebê muito especial!

Amo ser mãe, amo ter a Olivia na nossa vida! Amo nossa rotina, nossas brincadeiras, amo tudo, até ás vezes ficar sem dormir direito porque ela quer mamar a noite toda...rs  É, só essa parte que realmente é a mais dura de todas, mas ser mãe tem dessas coisas...rs Aliás, ser uma super mãe, de uma mini garotinha!


segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Depois de tanto tempo, aqui estamos...

...cheia de coisas pra contar, pra dividir, pra relembrar... Não sei o que acontece com meu tempo,  ultimamente não rende quase nada e quando vejo sempre tenho mil coisas pra fazer e não consigo...
Hoje deixei tudo de lado e resolvi escrever um pouco e relaxar minha cabeça...

Tenho dividido nos últimos tempos todas minhas experiências e dúvidas maternais com minhas amigas mamães: Lisa, Thany e Manoela. Trocamos figurinhas de tudo que acontece com nós e com nossos bebês e assim ficamos mais tranquilas. É sempre bom ter outras pessoas passando pela mesma fase que você. Dá um alívio quando podemos contar, dividir e somar com nossos sentimentos, medos e tudo mais que acontece.

Eu e Olivia tivemos momentos maravilhosos e está sendo muito legal acompanhar toda a evolução dela. Vê-la começar sua vidinha descobrindo o mundo, tudo ao redor... de verdade mesmo, acho incrível! Um dia ela vai crescer, ser uma criança, depois adolescente, jovem, adulta e idosa e foi comigo que tudo na vida dela começou. Piro nisso! Ela é minha família, minha e do Edgar e ela cresce cada dia mais linda e mais feliz. O engraçado é pensar que com a gente também foi exatamente assim. E naquela época não existia nada, nem celular, nem computador... era um pouco diferente, mas éramos os mesmos bebês de hoje em dia, talvez um pouco menos desenvolvidos, mas os pais não tinham todas as informações e a tecnologia que temos hoje.

Na minha cidade era só um pediatra, se não me engano, não existia esse lance de maternidade ativa e de poder ir atrás de outras referências além daquilo que lhe era proposto... enfim, hoje em dia as coisas mudaram...

Um dia nascemos, passamos um mês quase todo dormindo, ainda em conexão com o mundo de lá, achando que ainda é a barriga da mamãe e precisando muito de carinho pra confortar essa transição.... mal nos mexiamos. Um dia resolvemos dar uma risadinha, mexer a cabecinha, ter um pouco mais de coordenação... Um dia começamos a emitir sons, ouvir a própria voz,  dar gritinhos e fazer gracinha.  Começamos a entender que somos uma pessoinha fora do corpo da mamãe e do peito  materno.... Começamos a pegar as coisas, olhar com mais atenção. Se impressionar ao ver uma árvore, o mar.... Aí, depois de um tempinho, conseguimos  virar nosso corpo de um lado para o outro... a engatinhar pra trás... sentar como gorilinha, com os braços na frente segurando nosso tronco... depois sentar sem apoio... Começamos a fazer flexões de braço, testando nossos movimentos e também arrastar o corpo pelo chão até que os braços  e as pernas fiquem firmes  para engatinhar de verdade e explorar o mundo ao redor.

Olivia está nessa fase, engatinhando para todos os lados.

Com 3 meses ela começou a pegar as coisas com suas mãozinhas e a olhar tudo ao redor. Aos 4 meses sentou; com quase 5 meses ela passou a brincar horas sentadinha sozinha com seus brinquedos e depois a rolar de um lado pro outro, o que ela adora fazer até hoje; depois, engatinhar pra trás. Com 6 meses começou a provar frutinhas e não curtiu quase nada, também, não sabia engolir ainda. Depois falou mama, vovó e papa. Com 7 meses mastigou de verdade seu primeiro alimento e gostou: foi uma banana. Teve seu primeiro dentinho inferior. Com quase 8 meses comeu sua primeira papinha salgada, depois de provar alguns legumes separadamente e deu início a comelança. Também perdeu a preguiça e começou a engatinhar profissionalmente, porque antes ela só se arrastava pra trás. Agora ela também já entende muita coisa. Brinca de se esconder e depois mostrar a carinha dando risada, quando ofereço água ela já sabe e pede com a mão. Sabe que o nome da nossa gatinha é Phephé e procura ela pelo chão quando chamamos... e tantas outras coisas queeu posso ficar horas aqui contando....

Tivemos momentos não tão bons também, como uma internação no Hosp. Sabará por conta de uma alergia que ela teve no tronco e pescoço, que evolui muito rápido. Depois teve mais uma crise, que conseguimos controlar rápido e agora ela está bem. É a chamada dermatite atópica, comum em bebês. É uma alergia como asma, rinite, mas que dá na pele e é um pouco chatinha, porque volta sem nenhuma razão específica.
Agora acabaram os banhos quentes e demorados que eu amava dar no balde, no pato... porque banhos quentes ressacam a pele. Mudamos muita coisa, o sabonete, o shampoo, a pomada, o creme, os remédios e voltamos para nossa pediatra alopata e deixamos a antroposofia para uma outra encarnação...

A Olivia é muito calorenta e acabou-se a preocupação de colocar muita roupa com receio dela passar frio, pq ela sempre sua muito, principalmente na cabeça e pescoço, que foi onde deu a alergia.
A alergia começou depois de uma série de fatores: Eu voltar a trabalhar sozinha, deixando ela em casa com a babá - por no máximo 4horas e por 3 dias da semana; ela começar a comer de verdade as frutinhas; ela começar a andar no chão e no piso de E.V.A.; ela começar a babar mais por conta do dentinho que estava nascendo; uma onda de calor e o suor ter aumentado; termos ido à praia e ter brincado na areia e ter usado pela primeira vez um protetor solar (para a idade dela e da Turma da Mônica - Hugges, que parece que não é nada legal).
Apareceu primeiro uma vermelhidão nas dobrinhas dos braços e depois na lateral do pescoço e foi descendo até o peito, uma mancha avermelhada... Enfim, agora está tudo sob controle e estamos no caminho certo e bem informados para tentar evitar futuras crises.

Agora a Olivia já está com 8 meses!!! Uma loucura como o tempo passa rápido e como nossos bichinhos crescem. Deveria demorar mais tudo, demorar mais cada fase dessas, pelo menos uns 3 meses para cada evolução, porque passa tudo rápido demais...

sábado, 24 de setembro de 2011

Atualizando o que estava atrasado: Como foi o Quinto mês da Olivia

Curtiu a varandinha dentro do pato
Foi no restaurante japonês de vestido novo
Foi no Parque Villa Lobos com os amiguinhos
 
Ouviu a mamãe tocar várias musiquinhas
Dormiu abraçada no porco
Brincou muito com o vovô popi
Passou o dia com os nonos
Brincou com o primo Lorenzo
Foi na Cantina Speranza
Ganhou um óculos de sol do primo Theodoro
Foi no Cinematerna com o vovô popi
Curtiu muito o vovô popi
 Usou roupinha de prisioneira
Foi jantar na casa dos amigos dos papais

Foi no Parque da Água Branca
Experimentou pela primeira vez uma frutinha e foi banana
 Estreou a cadeirinha para começar a comer frutinha
 Fez alongamento
 Foi almoçar no Pirajá
 Encontrou com seu amigo Otto
 Foi no Espaço Unibanco tomar um café da tarde
Brincou com a gata Ophelia
 Saiu para comer pizza de metro
 Se transformou na inspetora Olivia
 Brincou
 Fez carinha de emo
 Tomou café da tarde com o papai
  Tomou banho no pato
 Tomou banho no balde
 Foi na Praça Benedito Calisto comer acarajé
e brincou mais um pouquinho...

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

terça-feira, 30 de agosto de 2011

O que a Olivia anda aprontando...

Agora falando sobre o crescimento da Olivia: ela está cada dia mais esperta e eu me surpreendendo com isso... Hoje por exemplo, começou a rolar na cama de um lado para o outro. Achei tão bonitinho, porque até então ela só conseguia se virar com muito esforço. Hoje seu corpinho pareceu tão mole e tão preparado que ela se virava com muita facilidade e dava um monte de risadinha. Cada coisa tem sua hora certa.
Essa semana ela também começou a fazer a sua carinha de banguela, que eu amo, falando "mamamama" - a coisinha mais linda do mundo, mas é óbvio que ela não sabe o que está falando, mas mesmo assim me fez muito feliz! A primeira palavra da Oli foi mama!!! hehehe

Ela já senta desde um pouco antes do quarto mês. Começou como uma gorilinha, jogando o corpinho pra frente, e um pouco depois a coluna ficou retinha, mais ou menos próximo do quinto mês. Ela ainda se joga pro lado e pra trás, sem saber muito bem como voltar sentadinha, e se diverte com seu brinquedos, que eu coloco ao redor para ela escolher e brincar. Ela fica um bom tempo brincando sozinha, mas tenho que estar ao lado. Ela brincaum pouco com cada brinquedinho, cada hora pega um diferente... Só não gosta de ficar sozinha. Se eu saio por um minuto ela já percebe e chora.

Está engatinhando super bem, mas pra trás...rs  Não chega a ser um engatinhar e sim um se arrastar. Ela tem muita força nos braços e nas pernas e faz até umas flexões e fica certinha de quatro como se fosse engatinhar, mas vai pra trás. Tem um vídeo ótimo que fiz dela dia desses das posições de yoga que ela ia fazendo e se arrastando pra trás. Fazia a postura da cobra, da tartaruga, do cachorro... nossa, um show!

Ela fica muito tempo em pé se apoiando em alguma coisa ou em mim. Dia desses fui dar banho de balde e não tinha o que fazer pra ela sentar dentro do balde. Segurou com suas mãozinhas na borda  e ficou lá, em pé, uns 5 minutos, ou mais. Eu tentava dobrar as perninhas dela, pra ver se ela sentava, mas não queria, ficava dura, paradinha olhando pra mim.

A brincadeira com o pé começou tem um mês e meio, mais ou menos, e agora ela ama pegar o pé. Enquando mama fica puxando o pé com a mãozinha, como se estivesse fazendo um alongamento de lado. Colocou na boca algumas vezes, mas com esse frio que tá fazendo não dá pra deixar ela sem meia muito tempo. 

Voltou a gostar do banho de chuveiro e o banho na banheirinha continua a mesma farra, de jogar água para todos os lados, dando um banho em mim e inundando o banheiro.

 Teve sua primeira febre sábado passado. Nossa, foi de cortar o coração. Pegamos uma gripe e a dela foi mais forte e passamos o dia de sábado praticamente todo na cama. Fiquei sem sair de casa por 4 dias pra ela se recuperar. Agora está melhor.

Estamos cada dia mais ligadas, nosso amor cresce como nunca e já começo a pensar em como será daqui pra frente, minha bebezinha andando, falando, conversando comigo, minha maior companheira, minha melhor amiga, minha vida fora de mim mesma. Meu segundo eu maior do que eu mesma.


sábado, 27 de agosto de 2011

De volta ao trabalho e introdução alimentar

Tanta vontade de escrever aqui, tanta coisa pra contar... Como sempre, muita coisa pra fazer,  muito trabalho, pouco tempo pra tudo e sempre que sobra um espacinho a primeira coisa que penso é  correr pra cá.
Estou vivendo uma vida muito intensa, de muito amor e dedicação. 

O tempo nunca passou tão rápido. A gravidez parece que durou uma eternidade... foram 9 meses que pareceram 9 anos e foi muito bom. Lembro que no finalzinho sempre vinha aquela frase na cabeça: "ninguém fica grávida uma vida inteira", porque eu já me sentia grávida uma vida inteira... Era tampão saindo toda semana, depois que completei 36 semanas de gravidez, e nada da nossa bebezinha chegar...

A neonatologista da Olivia em uma consulta antes do nascimento dela disse que quando eu me sentisse muito cansada, cheia de estar grávida, era quando ela ia nascer, mas isso não aconteceu. Eu com 39 semanas de gravidez ainda estava com toda energia do mundo! Lembro de voltar da yoga e sair para fazer caminhada com o Edgar pelo bairro todo. A gente andava, andava,  subia morro, descia morro, parava pra tomar sorvete, água de coco, conversava, planejava...
Foi tão bom os últimos dias de gravidez... o Edgar mesmo disse esses dias que nunca me viu tão serena. Até no dia do parto, no meio de todas as contrações, eu fiquei muito calma e tranquila. Durante o trabalho de parto pensava que estava chegando muito perto de viver uma vida nova, completamente diferente de tudo que já tinha vivido e estava chegando cada vez mais perto de um amor incondicional, que transbordaria e me encheria de muita felicidade. E ela veio, com 39 semanas e 2 dias de gestação. Estava tão protinha que parecia até uma bebê de 2 meses!

Quando me lembro do dia do nascimento sempre me emociono. Parece que foi ontem que tudo aconteceu, parece que foi ontem que eu estava em casa com quase 9cm de dilatação, óbvio, sem saber, fazendo as posturas da yoga... Parece que foi ontem que chegamos em casa com ela nos braços no dia do meu aniversário... Quando vejo as fotos mês a mês dela fico impressionada com tanta coisa que já aconteceu.

Comecei a levá-la no trabalho comigo e por enquanto será assim, mas já está chegando a hora de começar a pensar de verdade na nossa separação, mesmo que por pouco tempo.  Até hoje, o máximo que consigo ficar longe da Olivia é por 1h,  é o tempo da massagem que faço todo sábado. Nunca fiquei mais tempo do que isso e quando termina estou com muitas saudades.

Pra gente poder ficar longe, duas coisas devem acontecer: ela aprender a tomar meu leitinho fora do peito e comer frutinha quando eu estiver fora.
A problema é que a Olivia não quer mamar na mamadeira  por nada, e olha que já tentamos com meu leite dentro, com suquinho de laranja lima, com água e nada, ela não quer. E frutinha também não. Já tentei dar a frutinha inteira, em pedaços, com o dedo, com meu leite misturado e nada.
Mesmo ela gostando do sabor da banana, da maçã, do mamão, da laranja lima - que foram as frutas que oferecemos até agora, ela não engole nada. Se engole, sem querer, chora e não quer saber da colher na sua boquinha e fica fazendo não com a cabeça o tempo todo.

Diante de tudo isso,de 15 dias tentando, resolvi esperar mais um pouco para recomeçar em um momento em que ela esteja mais preparada.

Compramos a mamadeira special needs. Essa mamadeira tem um bico especial e pra sair o leite tem que sugar muiiiita força. Por esse motivo muitos pediatras recomendam essa mamadeira, por ela funcionar exatamente como seio materno, fazendo com o que bebê não pare de mamar no seio da mamãe quando é introduzido também á mamadeira. No nosso caso talvez não seja interessante, vendo que meu fluxo de leite é intenso e sai facilmente. Temos também a mamadeira Dr. Brown's, que tentamos ela também não curtiu :(
Querer dar mamadeira pra uma bebezinha aos 6 meses é realmente muito mais difícil, porque eles já entendem muita coisa nesta fase.

Na verdade não gosto nem um pouco de mamadeira e muito menos ainda de chupeta. Eu mamei na mamadeira até os 7 anos e chupei chupeta até ás 4 ou 5 anos. Acho que não foi legal, porque tinha que mentir na escola, me esconder, morria de vergonha. Lembro bem do meu sofrimento quando parei de chupar chupeta e mamar. Foi uma decisão muito difícil, sofri muito com isso.
Não só por isso que não gosto, mas porque acho que nada pode substituir o seio materno e que lugar de bebê, além de ser no colo, é no peito da mãe, e também que nada pode ser resolvido com uma chupeta, como um choro, uma crise, uma birra... acho que o nervosismo de um bebê muitas vezes está relacionado a falta de sintonia entre ele e a mãe, maaaas muitos usam a chupeta para "acalmar" o bebê e o problema de fato não é resolvido. Acho que chupeta atrasa a fala, causa problemas de dicção, prejudica na arcada dentária, causa dependência...enfim... mas também sei que muitas vezes a chupeta pode ser uma aliada, como a mamadeira ainda mais. Todas as questões têm seu lado positivo e negativo, na verdade.

Estava pensando: os bebês que não tomam só leite materno exclusivo são mais fáceis para introduzir alimentos. Ouvi  muitos relatos e a maioria deu mais certo e mais rápido com bebês que não mamavam mais leite materno ou mamavam também outro leite de complemento. Eu e uma amiga concluimos que bebês que mamam só peito ainda não sabem engolir, pois o bico do seio vai quase na garganta. Já os bebês que mamam mamadeira sabem engolir, porque o bico da mamadeira vai na língua e são obrigados a fazer o movimento. Outra coisa é a necessidade maior de nutrientes em bebês que não mamam leite materno  exclusivo. A necessidade acaba sendo maior, vendo que o leite materno é completo e tem tudo que o bebê precisa.

Vamos tentando por aqui, uma hora dá certo, na hora certa dela.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Amamentação exclusiva até o sexto mês: Sim! Nós conseguimos!!!

Vamos completar domingo 6 meses de amamentação livre demanda e exclusiva!!!

Olivia fará 6 meses, meio ano de vida, e está cheia de saúde, de beleza, de tudo! Isso pra mim é a maior dávida, meu maior presente e orgulho!!
Chegamos até aqui só com o meu leitinho, garantindo uma vida maravilhosa pra minha bebê, com todos os anticorpos que ela precisa, com todo víncolo, amor e dedicação e continuamos em frente com a nossa amamentação.

Foram 5 meses doando para o banco de leite do hospital universitário, para os bebezinhos da UTI, esse meu leite forte que faz crescer e tem uma receitinha especial de muito amor também.

Agora entrarão os outros alimentos e tenho certeza que teremos muito sucesso também nessa segunda etapa.

Quando existe dedicação, entrega e se acredita, tudo flui. Flui naturalmente, rumo a realização. Exatamente como foi meu parto. Um filme repetido e maravilhoso!

Muito leitinho para as futuras mamães, para as mamães presentes e muito amor para todos!!! Com ele conseguimos chegar onde a gente quiser!!!

domingo, 17 de julho de 2011

Aniversário de 5 meses da Olivia

 
Olivia fez 5 meses no dia 14 de Julho.
Como foi nosso dia: Fomos na aula de baby yoga de manhã; almoçamos com o papai no Sachinha; fomos na Eco Baby comprar o surper presente de aniverário e lá ela deu muitas gargalhadinhas para os brinquedos que eu mostrava e depois fomos bater perna no Shopping com as amiguinhas.
Usou calcinha de vaquinha que ganhou de presente da amiga da mamãe e o babadouuroo de joaninha. 
 Muito fashion essa menina! 
Chegando em casa estreiou o presente de aniversário, que a mamãe queria ter comprado ainda quando estava grávida, e se esbaldou na banheira do pato que faz quen-quen!
 Olivia ama água, ama tomar banho, sempre faz a maior farra, então foi um presente muito legal.
 Depois do banhou usou a roupa nova de réptil e ficou muito engraçada!
E por último, antes de dormir, cantamos parabéns, pra bebezinha mais boazinha, risonha e feliz do planeta!
 Mamãe e papai ama muito essa nossa gordinha! Mais que tudo nesse mundo!

sábado, 16 de julho de 2011

Como foi o Quarto mês da Olivia

 No dia 14 de Junho, dia do seu aniversário passado, colocamos a roupitcha mais fofa nela, que compramos na Zara no Dia dos Namorados, e ela ficou uma gatinha usando jeans, camisetinha de francesinha e casaco de capuz quentinho.
 Ela ganhou de presente dois carrinhos de madeira, um com a letra do seu nome e outro de coração e quatro fantoches de dedinho de bichinhos. Todos da lojinha de brinquedos educativos na Vila Madalena. 
Os bebês precisam sentir texturas diferentes de objetos, de superfícies, para começar a conhecer o mundo e assim ir criando seu universo.
 Neste mesmo dia fomos na inauguração da galeria Urban Arts. Foi a primeira vez que saimos de fato com ela de noite. Ela já tinha visto a noite algumas vezes, voltando de algum lugar pra casa, como voltando do parque com as amigas e a noitinha caindo...
 Neste dia da inauguração da galeria a Olivia fez um bicão e ficou com ele durante todo o tempo, foi muito engraçado. Fez carão para o povo modernete e chique que estava lá, pq ela também é modernete e chique...rs
A foto acima foi tirada no dia do encontro dos bebês para o banho de balde coletivo, para o documentário que a Thany está fazendo. As fotos do banho ainda não tenho, mas logo mais postarei aqui.
Acima estão os seguintes bebês: Nuno da Manoela | Otto da Thany | Clara da Lisa | Olivia da Julia.
Todas nós tivemos bebês na mesma época, só a Lisa que foi um mês depois. Eu, Manu e Thany tínhamos a data prevista para o parto mais ou menos no mesmo dia - 18 de Fevereiro ou 22, não me lembro ao certo.
Thany teve primeiro, no dia 11 de Fevereiro, uma sexta-feira, nasceu Otto. A doula dela foi a mesma que a minha - Natalia Rea. O engraçado foi que liguei para doula no momento do parto dela, mas não sabia quem estava parindo, só ouvi os gritos ferozes do momento do expulsivo do outro lado da linha. Soube depois que era ela em um breve relato que a sua parteira fez na lista das maternas. A parteira da Thany, a querida Ana Cris, uma das fundadoras do GAMA, também participou do meu parto como auxiliar da minha obstetra, a Dra. Andrea.
Na segunda-feira, dia 14, nasceu Olivia!!!
Uma semana depois, do dia 22 para o dia 23, nasceu Otto da Manoela. Eu e Manoela tivemos a mesma obstetra, a Dra. Andrea. Como nossa data prevista de parto era a mesma, perguntamos  á ela se teria problema de entrarmos em trabalho de parto juntas e os bebês nascerem no mesmo dia. Como seria para dividir a nossa querida médica?? rs.... mas ela nos assegurou que isso dificilmente aconteceria, que podíamos ficar tranquilas.
Nós 4 tivemos um parto natural humanizado e entramos em trabalho de parto naturalmente, não tomamos anestesia e sentimos cada centímetro do corpinho dos nossos bebês nascendo e também nos preparamos muito para este momento, em todos os sentidos. Fomos nas reuniões de quinta-feira no GAMA, onde nos conhecemos, fizemos o curso preparatório para o parto e cuidados com o bebê lá também e o Epi-no foi crucial para parirmos bebês grandes sem precisar de uma episio desnecessária.
Todas nós temos muito leite (amamentação exclusiva, livre demanda até os 6 meses!! que já está chegando), e temos bebês que vieram de uma de forma tamanho GG.
A foto abaixo é a Olivia fazendo carinho no Nuno - muito fofos!
 Fomos para Cambuí-MG, minha terra natal. Nasci no interior de Minas Gerais, em uma cidadezinha com 25mil habitantes, pertinho de SP, 130km. Morei em Cambuí até os meus 17 anos, depois fui para Pouso Alegre-MG, fiquei um ano, e depois vim para SP, em 1998.
Cambuí é uma cidade gostosa, mas que se perdeu um pouco com o tempo... mas ainda tem uma coxinha gostosa na lanchonete da Central, uma lanche gostoso no cabeção, uma comida mineira gostosa, a praça pra passear e também ver a família. Minhas tias e minha avó materna moram lá.
 Fomos para Monte Verde no dia seguinte e almoçamos no restaurante famoso que tem a melhor truta da região, o Paulo das Trutas. Realmente, a truta no papelote com amêndoas é incrível!
O Thiago e a Pritt são nossos companheiros, estamos sempre juntos.
 Comemos um strudel muito bom em um café muito charmoso.
 Olivia mostrou mais uma vez sua veia rock'n roll!
 Foi no trabalho de papai.
Fez carinha de fofinha.
Foi na pizzaria Speranza e sentou pela primeira vez na cadeirinha.
 Foi para Paraty e passou uma semana curtindo os avós, como conta o post abaixo.
Ficou sentadinha como uma mocinha. 
 Foi ao parque Buenos Aires fazer pic-nic com os amiguinhos.
 Foi na praça Benedito Calisto comer moqueca da Luzia que a mamãe ama!
 Tomou (não tomou de verdade, tá? rs) um sorvete maravilhoso e cremoso - Bacio di Late
 Ganhou roupinhas lindas
 Foi no Cinematerna com as amiguinhas.
 Tomou banho de balde.
 E usou um vestido florido e ficou ainda mais linda!