domingo, 10 de julho de 2011

Alguns dias com meus pais em Paraty

Fomos no último feriado pra Paraty e fiquei a semana toda por lá com a Olivia. No comecinho deu um apertinho no coração, achando que não ia me adaptar a rotina longe de casa, mas foi bem tranquilo e no final fiquei com vontade de ficar mais e chorei na hora de ir embora...

Fiquei na casa do meu pai, que mora ao lado da minha vovó Tatá. Meu pai me ajudou em tudo o que precisei, foi perfeito! Meu pai é O pai, O vovô coruja, O cara. Muito atencioso, prestativo, amoroso, sem palavras pra descrever a dedicação dele com a gente.
Meus pais são separados, mas moram em Paraty. Enquanto estava por lá, minha mãe  lembrou de muitas coisas de quando eu era bebê e me disse que meu pai cuidava muito bem de mim. Ela fazia faculdade a noite e era ele quem ficava comigo.  Ele era um pai nota 10, ela não tinha do que reclamar e ele tinha a maior jeito com bebê, quer dizer, ainda tem muito jeito.
Meu pai dá dicas, sabe brincar de uma maneira muito legal e a Olivia  adora o vovô popi!
 Todos os dias o vovô popi levava a Olivia na beira do rio pra olhar os pássaros e os barquinhos...
Minha vovó Tatá é a vovozinha mais fofa que alguém poderia ter. Uma pessoa que valorizo e amo muito, desde sempre. Quando eu era pequena e morava em Cambuí-MG, íamos passar férias e feriados em Paraty com ela e eu amava! Sempre gostei muito da minha vovozinha.
Agora é a vez da minha mamis... minha mamis é uma gordinha fofa, que tem maior amor comigo e com a Olivia. Também faz tudo por mim e faz uma comidinha maravilhosa... que morro de saudades...
 
Ela me dá o colinho mais gostoso e colo de mãe é muito bom, né?! Quando abraço ela me dá até sono, de tanto conforto... Parece que depois que virei mãe o colo da minha mãe ficou ainda melhor, pq agora a gente precisa mais também...rs. É muito bom ter alguém que cuide da gente, dê atenção, carinho... O marido dá bastante tb, mas de mãe é diferente.
Vida de mãe de bebê é sempre uma loucura, nunca temos tempo pra gente e parar um pouquinho pra relaxar  é muito importante pro nosso equilíbrio, pra depois poder retornar ainda melhor. Eu ainda não consigo ficar muito tempo longe da Olivia, nem posso, no máximo 1h, que é o tempo da minha massagem. A Olivia é um grude comigo, vive penduradinha em mim.
Esses dias com meus pais acabou sendo um resgate da minha infância. Ouvi histórias que ainda não conhecia, relembrei outras, soube de coisas sobre eles que ainda não sabia... Foi muito importante e ganhei um olhar diferente  como mãe.  Ser uma boa mãe depende diretamente da criação que tivemos. Eu tive uma ótima mãe, um ótimo pai, e foram referências cruciais pra me tornar o que sou hoje.  Cuido sozinha da minha Olivia, nunca tive ajuda de ninguém, só do Edgar quando ele está em casa depois do trabalho e nos finais de semana, mas quem cuida mesmo dela sou eu. Faço tudo e acho bem tranquila essa rotina de mamãe-bebê. Já temos o esquema para todas as situações, a do nosso banho, da hora da soneca, da troca, do cocô bomba, do gorfo que parece mais um banho, de tudo isso e da hora de dormir também. É tão bom tudo isso, e vejo que a gente curte muito esses momentos juntas . Olivia é bem tranquila, não é chorona, aceita bem tudo, só não gosta muito de ficar sozinha e de ficar muito tempo longe do calorzinho do colo da mamãe, mas isso é absolutamente aceitável e gostoso.
Ficar perto dos meus pais e ser filha por alguns dias me fez ser uma mãe ainda melhor, se é que isso é ainda possível...rs
Almocei quase todos os dias com minha mãe e depois ficava com ela no seu trabalho. A Olivia fazia maior sucesso com o pessoal de lá e minha mãe ficava com maior orgulho.

Tomei muito sorvete com meu pai no centro histórico - aquela pasta italiana cremosa, maravilhosa!
Andamos de manhã pelo calçadão na beira do rio, que dava na praia, e depois até quiosque do Dito e Feito pra comer o bolinho de aipim com camarão, que é um espetáculo!
Fez muito frio por lá, a Olivia ficou um pouco congestionada, mas ficou bem. Fazia inalação com soro todos os dias depois que ela dormia, mas isso não foi nada, ela se divertiu,  deu muita risadinha e foi importante também pra ela, ainda mais nessa fase em que os bebês começam a estranhar as pessoas. Ela convivendo só comigo em casa não ajudaria em nada e ela vendo pessoas o tempo todo foi bom nesse processo e fez dela uma bebêzinha ainda mais simpática, risonha e feliz! Se bem que mais do que ela já é também é quase impossível! rs...
Saímos para jantar no meu restautante preferido, no lugar mais bonito da cidade, na minha opinião - O restaurante Refúgio, que fica perto do cais. A comida de lá é deliciosa e o restaurante muito bonito.
E fomos a Trindade.
Só sei que foi muito bom viver tudo isso, nossa, alimentou minha alma!

5 comentários:

Bicho-mãe disse...

Que passeio gostoso e revigorante! Vocês estão lindas! É muito bom estar com pessoas que amamos e que nos ama...

Beijinhos

Sandra Hellen disse...

Que lindo Julia!!! Passeio lindo, família linda e a Olivia tá uma fofura de bebê!!!! É gostoso demais mesmo relembrar um pouco da infância, não vejo a hora de ter o colinho da minha mãe também!!!

Beijos pra vcs!!

olavo disse...

oi minha filha muito obrigado , estou emocionado, gostei muito de vcs, e gostaria que isso sempre rolasse , amo vcs beijos ,

***tatiana*** disse...

ai que coisa boa aconchego de mãe e muito bom e do lado de uma fofura dessa e muito mas bom ainda.
olivia vc ta linda cada dia mas bonita ainda.

Luciana disse...

Precisa voltar logo, Ju. A mamãe não aguenta mais de saudades das baixinhas dela!!!!